sexta-feira, 11 de maio de 2018

Meus 18 Artistas Disney Preferidos

Para a minha pessoa, o melhor da Disney sempre foram os quadrinhos. Essa empresa pode até produzir tantas outras formas de entretenimento maravilhosas, mas nenhuma já chegou perto da qualidade, quantidade e produção em tantos países diferentes como os quadrinhos. Até onde eu saiba, os soberbos longas-metragens chamados de Clássicos Disney são produzidos em apenas um país, assim como as estupendas séries animadas da empresa. Os quadrinhos, não. Eles são produzidos na Dinamarca, na França, na Holanda, na Itália... E o seu mercado brasileiro já foi grande e forte, sendo publicadas revistas no Brasil que não foram publicadas em nenhum outro país, como os gibis Margarida e Urtigão, e com histórias brasileiras!

Clique Para Ampliar
Eu amo quadrinhos não só por causa do Maurício de Sousa e seus talentosos artistas da MSP, mas também pelos maravilindos talentos que já ou ainda trabalham para a Disney, na produção de quadrinhos! E é por causa deles que escolho dezoito para listar aqui como os meus preferidos, e não artistas que trabalham para a Disney em qualquer outra área. E também porque eles merecem todo o reconhecimento sentimental possível, já que o financeiro não lhes é devidamente fornecido.

Clique Para Ampliar
Mas... por que 18? Eu estava querendo manter um padrão de listas com onze tópicos, mas apenas 11 artistas era pouco para a quantidade de quadrinistas que trabalham ou trabalharam para a Disney e que marcaram a minha vida. Além de que dezoito é um número bastante sugestivo para este ano em que o Mickey, maior símbolo Disney, completa 90 anos. De resto, devo informar que esta lista não terá nenhum grau de melhor para pior ou ao contrário, serão apenas artistas em ordem aleatória. Virtualmente, ao menos, pois eu tentarei dispor os artistas na ordem que melhor seja a conexão entre os meus comentários de um com os outros.

Começo esta lista com o mais famoso quadrinista da Disney, o lendário Homem dos Patos, Carl Barks! Mas antes de trabalhar com os patos nos quadrinhos, o quadrinista atuava na área de animação dos estúdios Disney, e foi lá que ele aprendeu algumas técnicas de movimentação que usaria para deixar as suas histórias dinâmicas e concisas. Felizmente, ele parou de trabalhar nas animações de Donald e companhia para escrever e desenhar suas histórias, do contrário, talvez não tivéssemos hoje suas maravilhosas criações, como o Tio Patinhas, os Irmãos Metralha, a Maga Patalójika, o Pão-Duro MacMônei, o Patacôncio, o Gastão, entre outros... sem esquecer a própria cidade de Patópolis e seu estado fictício, a Calisota! Falecido em 2000, aos 99 anos, Carl Barks viveu o século XX inteiro maravilhando milhares de leitores com suas histórias de monstros, caças ao tesouro, figuras mitológicas, cotidiano e tantos outros temas que sua mente genial poderia criar. Também não posso esquecer de mencionar sua arte magnífica, que dialogava com o simples, mas possuía complexidade em seu movimento, cenário e leiaute de página.

Biblioteca Don Rosa Nº 3
Don Rosa foi o mais fiel seguidor de Carl Barks que já existiu. Embora vivo, Don infelizmente parou de trabalhar com os quadrinhos Disney, mas por duas décadas ele escreveu e desenhou histórias dignas de homenagear o Homem dos Patos, tanto que ele já foi chamado de Mestre dos Patos. Don Rosa cresceu lendo e amando os “patos de Barks”, como ele próprio os chama, e em 1987 conseguiu realizar o seu sonho de criar quadrinhos dos personagens que tanto tinha apreço. Daí em diante, criou continuações das maravilhosas HQs de Carl Barks, criou seus próprios personagens marcantes, pesquisou história para escrever obras-primas da “ficção histórica” - inspiradas pelo Carl, que utilizava a National Geographic para desenhar belíssimos cenários de lugares aos quais nunca pisou até então -, e fez histórias de origens explicando tudo o que não precisava ser explicado, o que não as torna desnecessárias, muito pelo contrário! Por isso, ouso dizer que Don Rosa é o perfeito exemplo do discípulo que superou seu mestre! E, diferente de Barks, que fazia o leitor pensar e rir, Don Rosa não só fazia isso, mas também, emocionar-se.

O criador de Mancha Negra, o melhor vilão do rato Mickey, não poderia faltar nesta lista. Junto com ótimos roteiristas, destaco-o não só pela sua arte soberba, mas porque Floyd Gottfredson também criava o argumento de várias das histórias que desenhava. E nos seus quadrinhos, também estrearam outros personagens icônicos, como o professor Tiraprosa, o comissário Joca, o coronel Cintra e o Esquálidus. Este, que não só é o homem do futuro, mas o meu personagem preferido do universo do Mickey, depois do rato. Além disso, lendo os volumes da coleção Os Anos de Ouro do Mickey percebo que há um gostinho único em ler HQ em tiras, que não se compara com as histórias publicadas originalmente em revistas. Não que seja melhor ou pior, mas o sabor diferencial de ler histórias em tiras contínuas publicadas originalmente em jornais é bastante agradável.

É possível comparar Carl Barks com Floyd Gottfredson, ou vise e versa por o segundo ter começado antes que o primeiro, no quesito clássico dos quadrinhos e por suas criações que perduram até hoje, nos quadrinhos Disney mais recentemente produzidos no mundo. Assim sendo, também é possível comparar Romano Scarpa com esses dois grandes artistas estadunidenses, pois este terceiro é a versão italiana deles, sendo o precursor dos grandes artistas italianos atuais. Além disso, também criou personagens memoráveis que são incluídas em histórias produzidas até hoje, tais como Pata Lee, Atomino Bip-Bip, Gedeão, Brigite, Tudinha, professor Intrigatão, Patolfo, etc. Entretanto, apesar da arte soberba, e a maioria dos roteiros serem clássicos, devo admitir que algumas das histórias possuem detalhes que não o são, denotando a época em que foram escritos. O que não tira o brilho da obra do maior mestre Disney italiano, obviamente.

Mas se Romano Scarpa é o Carl Barks italiano, Casty é o Don Rosa italiano. Apelido de Andrea Castellan, Casty escreve soberbamente roteiros majoritariamente centrados na ficção científica, superando seus mestres, assim como o Don. Considero as histórias do Casty as melhores do Mickey já feitas, pois são épicas, inteligentes, contêm um humor tão peculiar como o de Don Rosa e também há grandes sagas de ficção histórica e até mensagens ecológicas. Inclusive, o mestre do dom Rosa, afirmou ser amante dos animais, ou seja, a comparação com o mestre italiano não poderia ser mais óbvia! Sem falar da arte, que é uma versão aperfeiçoada dos desenhos de Romano Scarpa! E, assim como os roteiros do Casty são os meus favoritos da Itália, sua arte também é a minha favorita entre os artistas do país da bota.

Histórias Comentadas
Jorge Kato e Waldyr Igayara de Souza podem ter sido os primeiros brasileiros a criarem histórias do Zé Carioca, mas Ivan Saidenberg foi o mais importante a fazê-las. Depois de listar os mestres dos EUA e da Itália, chegamos aos mestres brasileiros, e o Ivan é o mais clássico, principalmente por sua grande colaboração em transformar o Zé Carioca em um personagem tipicamente brasileiro, e sendo o precursor das posteriores inúmeras histórias do Zé por inúmeros artistas talentosos do Brasil! Embora me agrade menos os roteiros do Ivan para outros personagens fora do universo do Zé, eles também são divertidíssimos, e eu obviamente não desmereço suas criações, como o Morcego Vermelho, e as tantas outras facetas do Peninha, Glória e a Borboleta Púrpura, o Metralha Azarado e o Biquinho. Assim como as criações do universo do Zé, como o Afonsinho, o Zé Galo e os vários primos do próprio papagaio malandro, com exceção do Zé Paulista. E, deixando o melhor para o final, foi Ivan Saidenberg quem criou o meu super-herói favorito, o Morcego Verde! Eu nunca consegui sentir grandes afetos pelos personagens da duplinha Marvel e DC, nem de seus quadrinhos, mas sempre que eu lia as desventuras do alter-ego do Zé Carioca, conseguia sentir uma afinidade, um sincero encantamento e uma alegria dessa paródia e arremedo de super-herói. A melhor parte do Zé, sem dúvida, a única coisa pela qual esse preguiçoso gente boa se esforça.

Mestres Disney Nº 5
Infelizmente, até onde eu sei, Ivan Saidenberg nunca desenhou uma HQ, apenas escrevia seus roteiros. Felizmente, Renato Canini sempre desenhou as histórias de Ivan. Eram a dupla perfeita, dois mestres brasileiros que juntos revolucionaram o universo do papagaio malandro, fazendo dele um verdadeiro carioca, coisa que não era tão evidente antes. O estilo de Renato foi um dom e uma maldição, pois é o meu favorito entre todos os artistas brasileiros, mas foi por causa de sua arte soberba e tão única dentro do Universo Disney que o gaúcho precisou parar de desenhar o Zé Carioca a mando de ordens de seus superiores, e consequentemente parou de trabalhar para a Disney, já que era só de histórias do Zé Carioca em que consistia seu magnífico trabalho. Fora essa trágica história, Renato também escrevia simples, mas eficazes, roteiros, sendo que a estreia do primeiro primo do Zé, o Zé Paulista, foi em uma HQ escrita e desenhada por este mestre brasileiro.

Depois do Ivan, é a vez de um artista italiano, que, até onde eu sei, só cuidava dos roteiros de seus quadrinhos, figurar nesta lista. Guido Martina foi o responsável por crar meu segundo super-herói favorito, o Superpato! E eu amo as suas primeiras histórias, em que o alter-ego do Donald é um genial vingador, não um herói. São algumas das minhas HQs preferidas da versão mascarada do Donald! E esse é um dos motivos por eu ter tanto afeto pelo personagem, sua trajetória ter começado como vingador e hoje ser um grande herói, além de ele também ter uma versão futurista mais bem elaborada. Guido também escreveu a épica História e Glória da Dinastia Pato, saga que conta a história dos antepassados da Família Pato e que foi desenhada por Romano Scarpa e Giovan Battista Carpi, este que foi o primeiro desenhista da primeira HQ do Diabólico Vingador.

Instagram
Cris Alencar é um caso especial não só por ser a única mulher a figurar nesta lista, mas também porque é a única colorista. Eu, que pouco desenho, pinto menos ainda. Colorir é uma arte difícil, saber combinar e harmonizar cores entre si é um trabalho complexo, e Cristiane de Alencar domina por completo essa arte, ela consegue melhorar uma ilustração com suas cores soberbas, fazendo da artista merecedora de figurar entre os grandes mestres brasileiros e estrangeiros! Cris trabalha majoritariamente com capas, e elas são publicadas no Brasil e na Europa, com grande sucesso e admiração. Inclusive, seu trabalho é solicitado por famosos artistas europeus. E ainda preciso dizer que esta é a única pessoa da lista com quem eu tive o prazer de entrar em contato, e posso afirmar que ela é um amor de pessoa, simpática e atenciosa. Ela também desenha para fora da Disney e fotografa lindamente. Confira uma entrevista dada pela Cris para o Paulo Maffia clicando aqui.

Zé Carioca teve várias fases com vários estilos. Primeiro, houve a fase estadunidense, de sua criação, a segunda foi a que os primeiros artistas brasileiros começaram a escrever e desenhar os quadrinhos do papagaio, depois a terceira, dominada por Ivan e Renato, a quarta, com a volta das roupas de sua criação e marcada pela pior faceta do Zé por ela ser de extremo mau-caratismo, e a minha fase preferida, com a adição de boné e tênis. E eu não sei explicar direito o motivo deste roteirista ter se destacado para mim, mas Arthur Faria Jr. escreveu várias histórias marcantes do papagaio desde essa fase até a curta volta da produção nacional de quadrinhos Disney entre 2013 e 2016. Inclusive, é dele o roteiro da última HQ produzida e publicada no Brasil até o momento de publicação desta lista. Também é interessante constar que o Arthur é um dos coordenadores brasileiros do Inducks.

Carlos Edgard Herrero é, junto com Gustavo Machado, Denise Ortega, Luiz Podavin, Fernando Ventura, Lúcia de Nobrega, Verci de Mello, Kaled Kalil Kanbour e outros já mencionados nesta lista, mais um grande artista que retornou para a produção nacional de quadrinhos Disney de 2013 a 2016. Muito me agrada o seu estilo de desenho, simples e agradavelmente belo. Carlos foi quem desenhou a primeira HQ brasileira do Urtigão, personagem que adoro. Um veterano da arte sequencial brasileira que não só ainda continua na ativa, como perceber a evolução de seu trabalho lendo suas histórias é um passatempo delicioso. Confira uma entrevista do mestre clicando aqui.

Arquivo Pessoal
Admito que Marco Rota figura nesta lista por influência de Don Rosa, que diz ser esse seu artista Disney favorito depois de Carl Barks, até porque não me agrada muito os roteiros que o artista italiano escreve. Apesar disso, eu amo o estilo fofinho dele, os personagens desenhados pelo Marco ficam muito fofos. O que me entristece é que ele não produz quadrinhos italianos, mas dinamarqueses, e os roteiros da Disney Itália são muito superiores aos da Egmont. Outro motivo de o Marco figurar nesta lista ao invés de outros artistas italianos cujos desenhos muito me agradam, como Claudio Sciarrone, Paolo Mottura, Massimo Fecchi ou Enrico Faccini - este que faz uma Pata Lee muito fofinha, aliás, fiel ao estilo de Romano Scarpa -, é que deles eu não tenho mais a dizer do que acabei de escrever. Ah, eu também gostaria de destacar como é engraçado seu nome ser parecido com o do artista brasileiro Carlos Mota.

Marco Gervasio trouxe de volta o “Superpato Vingador” que tanto gosto de ler na pele de seu precursor, o Fantomius! Só por isso, o artista italiano já merece entrar na minha lista de dois dígitos dos meus preferidos da Disney. Ele desenhar soberbamente é só um belo complemento. O artista completo criou uma das minhas séries favoritas dos quadrinhos Disney, em que ele conta as histórias do antigo dono da Vila Rosa junto à bela Dolly Páprika e ao inventor Copérnico Pardal. Em uma entrevista concedida por e-mail, Marco explica o motivo de eu e tantos outros leitores terem tanto apreço e estima pelo carismático Ladrão de Casaca de Patópolis: “Fantomius/Lorde Quackett é um personagem Disney alheio aos esquemas tradicionais, pois, para todos os efeitos, caracteriza um transgressor. E seu ponto forte está justamente aí. Ele é um ladrão que não rouba apenas para si mesmo, mas também para doar aos necessitados o fruto de seus golpes, além de passar a polícia para trás. É, portanto, um anti-herói, que transita à margem da lei enquanto busca uma justiça social que essa mesma lei não garante.”

Zé Carioca Nº 2058
Gérson L. B. Teixeira figura nesta lista não só por seu trabalho para a Disney, mas para a editora Abril como um todo e para a MSP, também! Este roteirista escreveu ótimas histórias com os personagens Disney e com Os Trapalhões, quando o gibi deste segundo grupo foi publicado pela editora Abril. Ele foi um dos responsáveis por a revista do Zé Carioca, junto com a do Urtigão, ser a minha preferida da década de 1990. Destaco a série de histórias Zé na TV, outra das minhas preferidas dos quadrinhos Disney. Também vale destacar os seus colegas: Aluir Amancio, Eli Marcos M. Leon, Átila de Carvalho, Fernando Bonini, Genival de Souza, entre outros! Atualmente, Gérson produz roteiros para os personagens do Maurício de Sousa.

Marcelo Cassaro figura nesta lista pelos mesmos motivos que o Gérson, com o acréscimo de que, junto com o desenhista Paulo Borges, renovou o visual do meu super-herói favorito! Na HQ, cujos dois quadrinhos dela estão reproduzidos logo acima, o Morcego Verde abandona sua velha fantasia de Carnaval e adota um visual semelhante ao do detetive sem superpoderes da DC, visual este que é o meu preferido do herói! Além disso, enquanto, hoje, o Gérson escreve para a linha clássica das revistas de Maurício de Sousa, Marcelo trabalha com a linha Jovem, criando grandes preciosidades, principalmente para a publicação Chico Bento Moço, que é a minha preferida da linha Jovem da MSP.

Mickey Nº 861
Junto com Don Rosa e Marco Rota, Byron Erickson é um dos poucos artistas Disney que criam boas histórias dinamarquesas, mas admito que ele está aqui principalmente pela importância que Don dá a ele, que é algo que considero relevante. Além da famosa série Dragonlords, destaco as histórias que ele escreveu com o Mickey como protagonista, e a aventureira Catarina Kodorofsky como coprotagonista, e a soberba A Conspiração, em que o certinho do Mickey duvida de si mesmo em uma das melhores histórias de suspense que eu já li em um gibi. A respeito da Catarina, lamento que o Byron só escreveu duas histórias com ela até o momento - publicadas ambas uma única vez cada no Brasil em Mickey Nº 816 e Mickey Nº 822 -, pois o número de personagens femininas fortes e bem escritas dos quadrinhos Disney é pífio, vide as namoradas dos protagonistas. Infelizmente, assim como as artistas Disney, que são escassas. A respeito do suspense, alegro-me que ele seja tão original que não se limite a esse gênero e torne-se uma ficção científica na segunda metade da história, com direito a um final emocionante.

E eu não poderia deixar de fora os criadores de Urtigão, Peninha e Romrom! Este trio foi paixão nacional durante a época de ouro da produção de quadrinhos Disney pela editora Abril, tanto para leitores, como para os artistas, até porque os dois primeiros ganharam revistas brasileiras na década de 1980, além do gato Romrom ter sido uma presença constante nas histórias nacionais do Donald, já que é o bicho de estimação dele. Sem contar que o divertidíssimo 00-ZÉro também foi criado por esta grande dupla, um agente secreto atrapalhado que é ajudado pela inteligente Pata Hari. Dick Kinney e Al Hubbard é o caso de autores que são mais importantes pelos personagens que criaram do que pelos seus roteiros e desenhos, pois estes não são tão impressionantes como os roteiros e desenhos dos outros 16 artistas desta lista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.